Mensagens de 20180712 (078 a 080)

078) MENSAGEM 078

De: Olson Pemberton, Jr

Data: 20180712

Assunto: RE: [Manuelinos] Maria Elza e Renato Fiuza Teles: Dois Pastores de Sonhos

Eduardo,

Li, encantado e emocionado, o que você escreveu. Fui colega de magistério durante quinze anos do inesquecível casal Fiuza Teles.

As suas idéias e observações sobre educação me empolgaram e me fizeram refletir a respeito dos meus melhores professores, na minha humilde opinião.  Um foi Prof. Ohlen Laxton, professor de Inglês nos meus anos de High School, em Huntsville, TN., (1935-1939)  Outro foi o Professor de Ciências Politicas em Maryville College, Maryville, Tn. (1939-1943)   Mais um foi o Professor Dr. Sérgio Buarque de Holanda, meu professor de História do Brasil, na USP em SP (eu era “aluno ouvinte”, e como eu “ouvia” Dr. Sérgio!)  O que eu apreciava nos três? Não foi a sua inteligência “cumulativa” mas sua inteligência “CREATIVA”.

Creio que o diretor do Instituto Cristão em Castro, PR, foi o pai do James, Rev. Latham Ephraim Wright.  James, creio, foi aluno dos Fiuza Teles no JMC.  (A falecida esposa do James, Alma Cole Wright, foi prima da minha esposa, Jean.)

Grato, e abraços.

Olson Pemberton, Jr..

==========================================================

079) MENSAGEM 079

De: Eduardo Chaves

Data: 20180712

Assunto: Prospecto do Instituto JMC para o Ano de 1960

[Tenho cópias de vários Prospectos do JMC. Um Prospecto é algo parecido com um Catálogo. Escolhi compartilhar o de 1960, porque ele descreve mais ou menos o que eu vim encontrar no JMC quando lá cheguei, no início do ano seguinte, 1961. Há várias curiosidades no Prospecto, a mais importante dela sendo que as moças internas tinham de pagar uma taxa extra anual de Cr$ 2.000,00 que era descrita como “Taxa de Vigilância”. Rapazes internos menores também pagavam uma taxa equivalente, mas bem menor: Cr$ 500,00. A Taxa de Vigilância para as moças parece pior do que era de fato o caso. A tal taxa era destinada a custear o salário da Diretora das Moças, que era a “Vigilante” das meninas… E como ela as vigiava! Outra curiosidade é que 1960 foi o ano em que a Vila de Jandira ganhou seu “Posto Postal”, sua Agência de Correio, permitindo que cartas pudessem ser endereçadas ao Correio de Jandira e não mais ao Correio de Barueri, como era o caso até o ano anterior. Terceira curiosidade é o fato de que o endereço do JMC fazia referência obrigatória ao fato de que ela estava situada no km. 32 da E. F. S. – Estrada de Ferro Sorocabana. Em 1960 ainda éramos, em Jandira, totalmente dependende do transporte ferroviário, o transporte rodoviário ainda sendo secundário. Desfrutem a leitura: é muito interessante!]

PROSPECTO 1960

Instituto José Manuel da Conceição
Enderêço: JANDIRA – E. F. S.
Estado de São Paulo
Brasil

BREVE HISTÓRICO:

A 8 de Fevereiro de 1928 abriram-se as aulas do “J. M. C.”.

* Corpo docente: 5 professôres.
* Corpo discente: 3 alunos.

Comêço incerto, incipiente e pouco animador. Mas a fé inquebrantável de Waddell e dos Harper via o invisível.

O tempo passou . Já quase trinta anos rolaram sôbre a vida da Escola.

Resultado:

1296 alunos já passaram pelo bancos do “J. M. C.”, em período maior ou menor.

Cêrca de 300 ministros em atividade nos mais variados campos fizeram o seu preparo par o Seminário no “J. M. C.”.

Alguns são professores nos Seminários, nacionais ou estrangeiros outros ocupam cargos administrativos de primeira linha na vida da Igreja.

E cada ano o “J. M. C.” continua a mandar para os seminários novos alunos.

O Instituto “J. M .C.” é fruto de uma grande visão movida por um grande ideal.

O Rev. William A. Waddell sábio mestre, consagrado missionário, concebeu a idéia de, aproveitando uma propriedade que então possuía o Instituto Mackenzie no quilômetro 32 da Estrada de Ferro Sorocabana, e que tinha pouca utilidade para o possuidor, estabelecer uma escola a serviço da Igreja no Brasil.

O ALVO ERA:

* Preparar bem os moços que se destinam aos seminários.
* Oferecer oportunidade às vocações tardias.
* Propiciar ensejo a moços pobres mas inteligentes e dedicados, para que, em condições módicas, obtivessem estudo no “J. M. C.”.

O nome escolhido, e bem escolhido foi, “José Manuel da Conceição”, homenagem merecida ao primeiro ministro presbiteriano ordenado no Brasil que também foi um verdadeiro apóstolo do evangelho em nossa pátria.

No momento é a escola que fornece o maior número de alunos para cursos teológicos no Brasil.

E’ também pelo seu aprimorado Departamento de Música, a maior fornecedora de organistas e regentes de coros de Igrejas.

O côro do “J. M. C.” já adquiriu nome nacional através de sua caravana.

Hoje o “J. M. C.” é indispensável ao crescente progresso do evangelismo pátrio; é uma gloriosa realidade, é uma soberba esperança.

INSTITUTO “JOSÉ MANUEL DA CONCEIÇÃO”

1. NATUREZA E FINALIDADE

O Instituto “José Manuel da Conceição”, fundado em 1928, vem procurando, através de tôda a sua história, cumprir as finalidades propostas pelos seus fundadores – Servir à Igreja do Brasil, propiciando oportunidades de preparo a moços vocacionados para o serviço de Cristo; moços de recursos limitados e ideais cristãos que possam ser úteis à pátria e à Igreja em qualquer carreira liberal; moços de vocação tardia.

Não é o “J. M. C.” um colégio para todos os tipos de moços, sem distinção. Mesmo porque dentro da sua finalidade, mantém regime de disciplina branda que só se torna eficiente com moços que se ajustem às finalidades acima.

E’ dever, pois, das pessoas e organizações responsáveis pelos alunos, verificar conscenciosamente se os candidatos que pretendem enviar ao “J. M. C.” se enquadram dentro das finalidades da Instituição.

Moços conscientes das suas responsabilidades, honestos no cumprimento de seus deveres e prontos a aceitar a autoridade dos professôres e dirigentes, são os que se recomendam ao Instituto “José Manuel da Conceição”.

Se um moço não corresponder aos requisitos acima, será desaconselhável submetê lo a um regime a que se confia mais na autoridade interna da consciência do aluno do que mesmo nas leis e regulamentos impostos pela direção, pois a responsabilidade seria demais para as suas fôrças.

2. CURSOS: ADMISSÃO, GINASIAL E COLEGIAL.

O Instituto “José Manuel da Conceição” mantém, atualmente os cursos de Admissão, Ginasial e Colegial.

De acôrdo com o decreto n.º 34.330 de 21 de outubro de 1953 do gôverno Federal, regulamentado pela circular n.º 17, de novembro de 1953, da Diretoria do Ensino Secundário, o Unstituto “José Manuel da Conceição”, como curso propedêutico de preparação para os estudos superiores de teologia, fica classificado entre os seminários menores, o que torna o seu diploma válido para ingresso em curso imediatamente superior. Naturalmente sujeitando-se ao exame de adaptação quando se fizer necessário.

Ainda de acôrdo com o decreto e portaria acima, poderá o curso conceder transferências para as segundas, terceiras séries do ginásio.Não poderá, contudo, conceder para a quarta série.As transferências só serão feitas no início do ano letivo.

O programa adotado segue em geral o ensino secundário oficial para o ginásio. No curso clássico, visando oferecer uma base mais sólida, para os estudos posteriores no Seminário, o Instituto “José Manuel da Conceição” adota um sistema de curso obrigatório e eletivo, dando assim oportunidade ao aluno de se aprofundara nas matérias de sua preferência.

E’ aconselhável que os alunos que não pretendam fazer o curso Teológico, ou curso de Filosofia, não ingressem no curso Clássico do Instituto “ J. M. C.” que atualmente se especializa no preparo para o Seminário.

A – Curso de Obreiros Cristãos

Continua ainda em estudo a possibilidade e conveniência da reabertura dêsse curso, no futuro, em bases mais práticas.

B – Curso de Admissão

Os candidatos a êsse curso devem apresentar prova de preparo correspondente ao curso primário, e estão sujeitos às mesmas condições exigidas dos alunos dos cursos secundários com relação ao procedimento, assistência às aulas e aos cultos.

Cumpre notar que a assistência às aulas de Bíblia é obrigatória neste curso como em qualquer outro.

3. OUTRAS ATIVIDADES

Além do estudo sistemático nas aulas, oferece o Instituto “José Manuel da Conceição” amplas oportunidades para o desenvolvimento dos talentos literários, esportivos, oratórios, ao par de um desenvolvimento físico, moral e espiritual.

Os grêmios, esportivos, literário, e religioso, a caravana Evangélica e a caravana Coral, a revista “Idealista” e outros pequenos jornais, oferecem aos estudantes um campo de treinamento nos aspectos mais variados, concorrendo tudo para a formação de um caráter sólido a par de uma educação e preparo convenientes.

4. ASSISTÊNCIA AOS CULTOS

Desde que o culto diário é fator tão importante na formação intelectual e espiritual dos alunos quanto as próprias aulas, considera-se a assistência aos mesmos tão necessária e por isto mesmo obrigatória. Essa exigência se estende também aos externos.

5. CONDIÇÕES PARA A MATRÍCULA

Os candidatos à matrícula, como internos, devem ser crentes professos ou candidatos à profissão de fé, recomendados pelo pastor e ter como objetivo servir a Cristo no ministério, magistério ou outras vocações.

CONVÉM QUE OS PAIS, TUTORES, PRESBITÉRIOS E IGREJAS EXAMINEM CUIDADOSAMENTE os seus candidatos antes de enviá-los ao Instituto “José Manuel da Conceição” e não OS ENVIEM A NÃO SER QUE TENHAM A CERTEZA DE QUE SE ENQUADRAM DENTRO DO AMBIENTE E IDÉIAS DA ESCOLA.

A idade mínima para a matrícula é de 16 anos, a não ser em casos especialíssimos, mediante um exame cuidadoso do procedimento e caráter do aluno.

Documentação:

Exige-se do candidato à matricula a apresentação dos seguintes documentos:

* Carta de apresentação do pastor. Essa carta deve conter dados exatos sôbre o procedimento, vida espiritual e moral do candidato, impressão pessoal sôbre o caráter e possibilidades do mesmo;
* Prova de quitação com o serviço militar conforme a idade;
* Atestado médico recente, como prova de sanidade física e mental.

Aconselha-se, especialmente no caso de moças, que o tratamento de dentes ou qualquer tratamento médico previsto, sejam feitos no período de férias,para evitar as saídas constantes que sempre prejudicam os estudos e a disciplina.

Os responsáveis por alunos, sejam igrejas, presbitérios ou mesmo indivíduos, quando do ato da matrícula, só se isentarão das responsabilidades referentes aos mesmos perante o Instituto, mediante declaração escrita, pagas as contas dos alunos.

Termo de Compromisso:

Ao matricular-se o aluno deverá assinar o compromisso seguinte:

INSTITUTO “JOSÉ MANUEL DA CONCEIÇÃO”

COMPROMISSO

Assumo diante de Deus, e de minha consciência e perante as autoridades constituídas no Instituto “José Manuel da Conceição”, o compromisso de fiel obediência aos princípios que regulam a vida do corpo discente do Instituto.

Procurarei, pelo meu espírito de serviço, boa vontade e cumprimento dos deveres que me cabem, concorrer para a disciplina, ordem e harmonia, dentro do “J. M. C.”.

………………………………………………
Nome e assinatura do aluno

Moças:

A experiência nos ensina que é necessário um cuidado ainda maior na seleção de moças, pois que o ambiente de lar cristão que se deseja manter no internato feminino, com o número pequeno de moças, em que a intimidade se torna muito estreita, seria grandemente prejudicado com um elemento só que não fizesse a sua parte para o bem geral.

Os vinte e quatro lugares que há no internato feminino devem ser ocupados por moças de qualidades excepcionais e que pelo seu proceder e cooperação revelem sinais da verdadeira moça cristã.

O INSTITUTO RESERVA A SI O DIREITO DE CANCELAR A MATRÍCULA EM QUALQUER ÉPOCA DO ANO AO ALUNO QUE PELO SEU PROCEDIMENTO SE TORNAR INCONVENIENTE À TRANQUILIDADE E BOA DISCIPLINA DA ESCOLA SEM ASSUMIR RESPONSABILIDADE PELO PREJUÍZO QUE ISSO POSSA CAUSAR À VIDA ESCOLAR DO MESMO.

6. FINANÇAS

O alto custo de vida nos impõe um acréscimo nas taxas embora contra gôsto.

Êsse acréscimo, representa ainda um esfôrço nosso para manter o “Conceição” ao alcance dos menos providos de recursos.

ALUNOS EXTERNOS

Primeiro Ciclo e Admissão …………………………….Cr$ 6.000,00
Segundo Ciclo ……………………………………………….. Cr$ 7.000,00

ALUNOS INTERNOS – MOÇAS

Primeiro Ciclo e Admissão:

a) Internato …………………………………………………. Cr$ 20.000,00
b) Ensino………………………………………………………..  Cr$ 6.000,00
c) Vigilância ………………………………………………….. Cr$ 2.000,00

_____________
Cr$ 28.000,00

Segundo Ciclo:

a) Internato ………………………………………………….. Cr$ 20.000,00
b) Ensino…………………………………………………………  Cr$ 7.000,00
c) Vigilância …………………………………………………… Cr$ 2.000,00

_____________
Cr$ 29.000,00

ALUNOS INTERNOS – MOÇOS

Primeiro Ciclo e Admissão:

a) Internato …………………………………………………. Cr$ 20.000,00
b) Ensino………………………………………………………..  Cr$ 6.000,00

_____________
Cr$ 26.000,00

Segundo Ciclo:

a) Internato …………………………………………………. Cr$ 20.000,00
b) Ensino………………………………………………………..  Cr$ 7.000,00

 ______________
Cr$ 27.000,00

Observações:Os alunos menores internos além das taxas regulares pagarão a taxa de Cr$ 500,00 por semestre de vigilância.

Para que o aluno tenha direito à abertura de um crédito na livraria, deverá depositar naquela repartição a importância de Cr$ 800,00 (oitocentos cruzeiros).

Desde que o Instituto tem de manter uma pessoa responsável pelo Internato Feminino, pagarão as moças a taxa adicional de Cr$ 2.000,00 (Dois mil cruzeiros). A metade desta taxa deve ser creditada na reserva do lugar e não será devolvida caso haja desistência.

7. ESTUDOS COMPLEMENTARES

1. Estudo de Datilografia.

O estudo de datilografia pode ser feito mediante o pagamento de uma taxa mensal de Cr$ 50,00.

2. Departamento Musical.

Sob a competente direção do Prof. João Wilson Faustini, o Instituto mantém um departamento de música, que visa, além de oferecer aos alunos do Instituto um preparo maior na música sacra, regência e canto coral, dar oportunidades a elementos das igrejas da capital de São Paulo, e cidades vizinhas que, devidamente apresentados pelos pastôres, queiram se valer dêsse curso para o seu aperfeiçoamento neste campo tão necessário ao aprimoramento do culto divino.

Informações sôbre matrículas, preços, horários, etc., poderão ser obtidas com o prof. João Wilson Faustini, no seguinte enderêço: JANDIRA – E. F. S. ESTADO DE SÃO PAULO.

8. TRABALHOS OBRIGATÓRIOS

Todos os alunos, com exceção dos que são fisicamente incapazes e dos externos, terão de trabalhar cinco horas por semana em pequenas tarefas. Êsse trabalho é parte do programa de educação além de ser um meio de reduzir as despesas.

9. SERVIÇO

Haverá pequenos empregos que a direção do Instituto poderá confiar a alunos capazes e diligentes com os quais poderão ganhar o suficiente para cobrir parte dos gastos com estudos, etc.

Quando a conta do aluno estiver em débito não poderá êle retirar o dinheiro que ganhou em trabalho para o Instituto.

Terão preferência a êsses empregos os alunos mais necessitados vindos de entidades cooperantes. Para as tarefas que exigem habilidade especializada (bombeiros, eletricistas, carpinteiros, etc.), a preferência será dada, evidentemente, aos que têm maior habilidade para o serviço.

Deve-se lembrar que pràticamente todo aluno do “J. M. C.” goza de um desconto considerável, pois as taxas que se cobram estão longe de cobrir as despesas. Representam apenas 2/3 do pagamento. Isto só é possível em virtude das contribuições de entidades cooperantes e ofertas de amigos e igrejas.

10. ENXOVAL

O aluno deve trazer apenas roupa de uso comum roupa de cama, toalha de banho, de rosto, etc.

11. CONDIÇÕES DE PAGAMENTO

Os pagamentos são feitos adiantadamente por semestre, metade da anuidade no ato da matrícula e a outra metade nos primeiros dias de agôsto.

Os alunos que receberem vencimentos do Instituto por trabalhos realizados serão creditados metade no primeiro semestre e a outra metade no segundo semestre. Se o trabalho, porém, não fôr feito, deverá o aluno completar a quota.

12. REDUÇÃO DE DESPESAS

Não há redução de despesas por causa de demora na chegada ou ausência durante o semestre, nem por abandono do curso durante o ano escolar.

O Instituto não se responsabiliza por lavagem de roupas, viagens, tratamento dentário, tratamento médico, etc., salvo em casos excepcionais.

13. REMESSAS DE DINHEIRO

As remessas de dinheiro aos alunos ou ao Instituto, devem ser feitas por DINHEIRO, CHEQUES ou VALE POSTAL, pagáveis em São Paulo, em nome do Diretor Rev. Wilson Castro Ferreira – JANDIRA – E. F. S. – Estado de São Paulo.

NOTA: Com o Pôsto Postal recentemente instalado em JANDIRA, transfere-se o enderêço do Instituto “José Manuel da Conceição”, de Barueri para a Vila de Jandira. O enderêço atual tanto postal como telegráfico é: Instituto “José Manuel da Conceição” – JANDIRA – E. F. S. – Estado de São Paulo.

14. CORPO DOCENTE EM 1960

AURELIANO LINO PIRES (Instituto José Manuel da Conceição, Faculdade de Teologia de Campinas).

FERNANDO BUONADUCE (Instituto José Manuel da Conceição, Faculdade de Teologia Metodista e licenciado pela Faculdade de Filosofia de São Paulo. Diretor-gerente do “Bem-Te-Vi”).

GILDA SHIMISU (Instituto José Manuel da Conceição).

ISVA RUTH DOS SANTOS (Escola Normal Livre “Guedes de Azevedo”, Bauru, SP).

JEAN PATTERSON PEMBERTON (Maryville College, EE.UU).

JOÃO EUCLYDES PEREIRA (Instituto José Manuel da Conceição, Faculdade de Teologia Presbiteriana Independente de São Paulo. Inspetor Federal do Ensino Secundário).

JOÃO WILSON FAUSTINI (Instituto José Manuel da Conceição, Westminster Choir College, Princeton, NJ).

JOAQUIM AUGUSTO MACHADO (Ginásio Paraisense, Paraísom MG, Faculdade de Teologia de Campinas, Registrado no Departamento de Ensino Secundário sob n.º 4.691).

MARIA ELZA FERNANDES FIUZA TELES (Escola Normal de Campinas, SP, e Faculdade de Filosofia de São Paulo, São Paulo, SP).

MARIA DE LOURDES SILVA (Escola Normal do Colégio “São José”, Bauru, SP).

MYRTHES SILVA (Escola Técnica de Comércio de Araguari, MG, Escola de Enfermagem Florence Nightingale, Enfermeira e Diretora do Departamento de Alimentação)

QUEILA BORGES FAUSTINI (Conservatório Musical de Araraquara, SP).

OLSON PEMBERTON JR. (Maryville College, Faculdade de Teologia de Princeton).

RENATO FIUZA TELES (Instituto José Manuel da Conceição, Faculdade de Teologia de Campinas, Faculdade de Filosofia de São Paulo, Iowa State College).

ROBERT E. LODWICK (Maryville College, Princeton Seminary, Miami University).

VERA BOEMER MONTEIRO DE CASTRO (Escola Normal Livre “Guedes de Azevedo”, Bauru, SP, Escola de Canto Orfeônico do Instituto de Educação “Caetano de Campos”, São Paulo, SP).

WILSON CASTRO FERREIRA (Instituto José Manuel da Conceição, Faculdade de Teologia de Campinas, Princeton Seminary, New Jersey, e Union Theological Seminary, Richmmond, Virginia, Union Theological Seminary, New York, NY, Teachers College, Columbia University, New York, NY

===============

Eduardo CHAVES
ec@jmc.org.br

==========================================================

080) MENSAGEM 080

De: Eliézer Rizzo de Oliveira

Data: 20180712

Assunto: RE: [Manuelinos] Prospecto do Instituto JMC para o Ano de 1960

Caro Eduardo,

Quanta coisa boa você divulgou nos últimos e-mails!. Nossa querida história do JMC.

Como dizem os metodistas, lembrando John Wesley, dá para ficar com o coração aquecido.

Abraços da gelada Ubatuba.

Eliézer

==========================================================

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s